sábado, 23 de junho de 2012

Bom S.João!

Manjerico - Ocimum minimum L.

Diz a tradição popular: "É regar e pôr ao Luar". Não se aconselha tal, visto que a planta permanecerá demasiado tempo na humidade nocturna e poderá vir a ser vítima de fungos e acabar por apodrecer.

Pode apresentar um comportamento perene se as condições ideais forem reunidas (temperatura, água e exposição), embora no nosso país assuma quase sempre um comportamento anual.

É um excelente repelente de insectos. (in Plantas Aromáticas )

 Cuidados com o manjerico

À semelhança de outras plantas, também o manjerico requer alguns cuidados essenciais para se manter sempre bonito, aromático e vistoso. Destacamos os seguintes como principais:

  • Luz – O manjerico é uma planta que aprecia bastante luminosidade, mas que não deve ficar exposta a luz solar direta, pois esta pode queimar as suas delicadas e sensíveis folhas. O ideal é que a luz solar direta seja evitada, pelo menos, entre as 10 da manhã e as 6 da tarde.
  • Temperatura – É uma planta que gosta de alguma humidade no ar e que se dá melhor em temperaturas amenas, nem muito quentes, nem muito frias. Não tolera frio, geadas e calor intenso.
  • Rega – O manjerico é uma planta que necessita de bastante água e humidade para se manter saudável e bem verde. Por isso, a terra deve permanecer húmida, sendo necessário não deixa-la secar completamente ou corre o risco do manjerico secar e morrer prematuramente. Colocar um prato com água debaixo do vaso ajuda a manter a humidade nas horas de maior calor. Retirar a água à noite ajuda a prolongar a vida da planta. Quando exposto ao sol de forma regular, o manjerico tem de ser bem regado.
  • Solo – O manjerico deve ser plantado em vasos de barro e com uma boa drenagem, de forma a que as raízes da planta não fiquem demasiado encharcadas e consigam respirar. Opte por um solo com mistura de de terra com 1/3 de húmus e 2/3 de argila.

 

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Exame de Biologia e Geologia_1ª fase

Parecer sobre o Exame Nacional do Ensino Secundário de Biologia e Geologia (702) - 1ª Fase 2012

"Globalmente, a prova pareceu-nos equilibrada, balizada pelos programas homologados da disciplina, assim como bem articulada com a informação-exame divulgada pelo GAVE. Registamos igualmente um correto equilíbrio entre as componentes de Biologia e Geologia e a avaliação de competências nos domínios concetual e procedimental entretanto anunciada.
Entendemos que os critérios gerais e específicos de classificação, salvo situações pontuais, são coerentes cientificamente e globalmente adequados ao âmbito das questões.
A prova é composta por quatro grupos, partindo de suportes documentais excessivamente longos, complexos e de difícil interpretação, particularmente para o quadro conceptual de examinandos do 11º ano. Tanto na componente de Biologia como de Geologia, a prova incide sobre um conjunto de conteúdos reduzido, pouco representativo da abrangência dos programas. A saber, a componente de Biologia demasiadamente centrada em questões de Biologia Celular e Molecular, negligenciando a abordagem de sistemas orgânicos e uma visão mais macro dos sistemas vivos; a componente de Geologia concentrada em conteúdos que versam fundamentalmente temas de Tectónica/rochas/ recursos hídricos.

À semelhança de provas de exame de anos transatos, a prova reúne conjuntos de itens com graus de dificuldade diferenciados. Todavia, consideramos a existência de uma menor quantidade de itens que entendemos mais acessíveis, geralmente destinada a avaliar competências/conteúdos básicos da disciplina, o que compromete o equilíbrio/correlação entre as avaliações internas e externas e até a aprovação na disciplina para alunos admitidos a exame com classificações mais baixas.

Numa análise mais fina, alguns itens/critérios de classificação pontuais suscitam a nossa reflexão/comentário:

Grupo I, item 8 - Acerca dos critérios específicos de classificação, a referência a “ambientes sedimentares pouco profundos” não nos parece relevante, mas sim, a associação a condições de sedimentação fina.

Grupo II, item 9 - Relativamente aos critérios específicos de classificação, parece-nos que em alternativa aos processos discriminados (endossimbiose / transferência de genes / fusão de genomas), seria de considerar igualmente o termo simbiogénese, dado o seu significado mais abrangente, assim como a sua explicitação no texto não ser clara.

Grupo III, Figura 3 - denotamos uma excessiva complexidade analítica na interpretação da figura, assim como alguma incongruência com a informação do texto relativamente à definição dos aquíferos e à extensão das zonas de meteorização.

Grupo III, item 2 - o item é de difícil resolução na medida em que o documento é omisso em relação ao teor em sílica destas águas e os alunos desconhecem o comportamento desta molécula em soluções aquosas. Relativamente à competência avaliada, esta é redundante com o item de construção 7.

Grupo IV, gráficos 1A e 1B - concordamos da não relevância da gralha de impressão, nomeadamente por não ser pertinente na resolução dos itens. Recomendamos, porém, que os símbolos selecionados mantenham coerência de significado. Por exemplo - círculo negro deveria significar sempre 4% nesta representação pictórica."

A Direção Nacional da APPBG
20/06/2012


Documento integral retirado de APPBG

Exceto alguns aspetos referidos no primeiro parágrafo, concordo praticamente em tudo.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Nuno Crato dedica ano letivo de 2012/2013 à Ciência

Para estreitar a ligação entre a educação, a ciência e a cultura vai iniciar-se o programa “O Mundo na Escola”.
Através de um conjunto de ações adequadas aos diferentes níveis de ensino, o programa “fará chegar a todos” conhecimentos, conceitos e obras fundamentais nas várias áreas da ciência e da cultura.
Pretende-se “criar um clima que contribua para a consolidação de conhecimentos” e que fomente a curiosidade dos alunos “pelo mundo físico e cultural”.

O MEC tenciona aproximar a população escolar das instituições e dos profissionais que trabalham no domínio científico, através de diversas atividades, “rentabilizando os melhores recursos”.
No âmbito do Plano Nacional de Leitura, será preparada uma seleção de clássicos da literatura portuguesa para o ano letivo que vai iniciar-se em setembro, em articulação com a Secretaria de Estado da Cultura e com divulgação na rede de bibliotecas escolares e nas bibliotecas municipais.
Será igualmente elaborado um reportório de filmes para integrar um ciclo de cinema nas escolas dos diferentes níveis de ensino.
No documento indica-se ainda que a semana da leitura do próximo ano letivo será dedicada ao tema “Mar”, num trabalho conjunto com a Secretaria de Estado do Mar e o Projeto “Portugal Oceano”.
(...)

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Vá para fora... CÁ DENTRO

Passeio verde: Descobrir os encantos da Mata Nacional do Buçaco!

É um dos mais belos locais do país, com a sua densa floresta, edifícios centenários, nascentes e muita história. Um pequeno paraíso que convida ao relaxamento e à introspeção com os sons da natureza como banda sonora.
mais informação aqui

 

Passeio verde: Descobrir os encantos da Mata Nacional do Buçaco!

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Cursos de Verão

http://www.porto.ucp.pt/cvc/ 
inscrições aqui

"A Menina Que Calou o Mundo em 1992"

Este é o vídeo que vos deixo no final do ano letivo (em reposição):
video
Sevem Suzuki - A Menina Que Calou o Mundo em 1992 - http://drauziomilagres.blogspot.com - Drauzio Milagres - Façam Este Vídeo Ter "ECO" Pelo Mundo Todo - O evento foi a Eco/92 realizado de 03 a 14 de Junho de 1992 no Rio de Janeiro/RJ/Brasil - Discurso feito em 1992, mas atualíssimo, serve para os dias de hoje - Vergonha para o Brasil e para todos os governos no mundo - Os problemas continuam os mesmos e até mais graves - Políticos, dirigentes e empresários nada fizeram - E nós, cidadãos, não tivemos forças e coragem para exigirmos ações concretas e efetivas.
http://br.truveo.com/Sevem-Suzuki-A-Menina-Que-Calou-o-Mundo-em-1992/id/3930657575#

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Os templos do consumo

Que têm em comum Al Gore, a ficção científica, as catedrais góticas e as montanhas russas?
 - Todos estão juntos neste documentário que reúne as reflexões e revelações de uma das instituições mais populares da América do Norte: o centro comercial.






ler notícia 22/ABRIL/2012: